27.4.08

Política fiscal, taxa de juros e taxa de câmbio

Sérgio Werlang explica, em sua coluna no Valor Economico, porque a política fiscal atualmente praticada pelo governo brasileiro leva a aumento da taxa de juros e valorização da taxa de câmbio:

  • "Diz-se que a política fiscal no Brasil é austera, pois há superávit primário (as receitas tributárias excedem as despesas não financeiras). Isto é muito eficaz para a sustentabilidade da dívida pública no longo prazo, uma vez que a relação dívida/PIB é cadente. Porém, não significa que os gastos públicos não estejam causando pressão na economia".
  • "É sabido que, se os impostos crescem e as despesas também, tem-se efeito de expansão na economia. Quando o imposto sobe, a renda disponível cai e há uma contração do consumo. Como nem toda renda disponível é consumida (parte é poupada), o maior tributo causa uma queda da renda nacional, mas não de um para um. Ao mesmo tempo, quando o gasto público sobe, tem-se um efeito na atividade econômica de um para um. Dessa forma, quando os dois efeitos são combinados (isto é, uma elevação de despesas é financiada com mais impostos), o impacto final na demanda agregada acaba sendo positivo".
  • "Portanto, embora a política fiscal brasileira possa ser classificada de austera porque a receita está maior que os gastos não financeiros, ainda assim é expansionista. E muito: entre 2003 e 2007, a despesa não financeira do governo central cresceu 9,5% ao ano, a preços constantes".
  • "O Banco Central tem a missão de controlar a inflação e mantê-la na meta. Tendo em vista o aumento dos gastos públicos e a elevação recente do preço internacional das 'commodities', o BC foi forçado a aumentar os juros para conter a inflação. Se os juros no Brasil sobem e no resto do mundo têm-se mantido ou estão em queda, recursos acabam fluindo para o Brasil, o que causa uma valorização do câmbio".
  • "Como é impossível controlar os preços dos alimentos no mundo, só há uma alternativa à elevação dos juros para conter a inflação: uma redução de demanda via um corte de gastos públicos. Com a situação internacional atual, enquanto permanecer a política fiscal expansionista no Brasil, será inevitável a manutenção de juros elevados e, por conseqüência, do câmbio valorizado".

Sobre este ponto, ver também postagens anteriores neste blog, de janeiro, abril e setembro de 2007.

Renda per capita e felicidade (II)

David Leonhardt comenta pesquisa recente contestando o "paradoxo de Easterlin" - a idéia de que mais renda não traz mais felicidade -, em artigo publicado em The New York Times.

O mesmo assunto foi objeto de postagem anterior neste blog e de artigo de Naércio Menezes Filho, na edição do Valor Econômico de 18 de abril (acessível só para assinantes do jornal).

13.4.08

Sapos e políticos

Competidores podem considerar vantajoso disponibilizar informações relevantes a seu próprio respeito, mesmo quando tais informações são bastante desabonadoras.

Robert Frank explica, em artigo em The New York Times, porque sapos agem assim e políticos nem sempre.

6.4.08

Crescendo a 7%, segundo Lemgruber

A economia brasileira poderia crescer a uma taxa de 7% ao ano, sem pressões inflacionárias, de acordo com Antonio Carlos Lemgruber, em artigo na edição de hoje da Folha de São Paulo:
  • "O hiato do PIB é a diferença percentual entre o produto potencial de uma economia em determinado ano (produção de pleno emprego) e o produto efetivamente verificado".
  • "Calcula-se que no Brasil, em 1966, esse hiato tenha chegado a 20%, o que facilitou o 'milagre brasileiro' de 1968-1973: o PIB cresceu 10% ao ano, sem que houvesse aceleração inflacionária - pelo contrário, a inflação até caiu".
  • "Qual é hoje esse hiato? Depende da taxa de crescimento atribuída ao produto potencial. Nas décadas de 60 e 70, falava-se em 7% ao ano de taxa potencial, mas agora as autoridades monetárias são tão conservadoras que preferem ficar em 3% ou 4%".
  • "É razoável defender que o hiato em 2008 pode ser enorme, porque não se pode imaginar um crescimento potencial no Brasil muito inferior a 5% nas últimas décadas, sendo a queda de 7% para 5% explicável pelo menor crescimento da população. De 1981 para cá, o Brasil cresceu em média 2% ao ano. O hiato só fez aumentar. Voltamos à mesma situação de 1966. Ou mais. Uma produção perdida de 100% do PIB em 26 anos. O PIB do Brasil poderia ser o dobro do que é".
  • "O Brasil tem, portanto, condições de crescer 7% anuais nos próximos anos (ou mais) sem aceleração inflacionária - com ou sem crise mundial. Foi assim em 1968-1973. Temos um hiato do produto herdado dos últimos anos maior do que se imagina. Enorme capacidade ociosa, pronta para entrar em produção, com crédito e juros baixos".